Pesquisa revela os males causados ao ouvido pelo volume excessivo dos aparelhos eletrônicos

*Marilia Calumby, Juliana Gava, Anna Beatriz Paraguassú

O uso do fone de ouvido tem se tornado uma prática comum das pessoas que andam nas ruas, ônibus ou shopping. Sejam em celulares, aparelho de mp3 ou similares. A cada dia cresce o número de usuários destes minúsculos objetos eletrônicos, e a facilidade de preço torna estes aparelhos ainda mais acessíveis. Só que muitos desconhecem o mal que um simples fone pode causar: a surdez.

O médico otorrinolaringologista Jocelyn dos Santos Oliveira, formado pela Fundação Técnico Educacional Souza Marques, chefe de equipe do Hospital Geral de Saracuruna, em Duque de Caxias, Rio, está preocupado. Seus pacientes, que antes eram adultos com idade acima de 60 anos deram espaço para os jovens abaixo de 25, que a cada dia enchem o consultório com queixas referentes à possível surdez. “Eles entram aqui com fone encaixado nos ouvidos e, certamente, com som em alto volume, pois da minha mesa dá para ouvir”.

Preocupados com o alto índice de jovens envolvidos no uso do acessório, a União Européia anunciou um novo padrão de volume para os aparelhos. O player deverá sair de fábrica com uma potência de 80 decibéis. Hoje o volume usado é de 120. As empresas terão dois anos para cumprir a nova regra. Segundo eles, 10 milhões de jovens estão sob ameaça. A porcentagem chega a 10% de pessoas que podem ficar surdas se ouvirem música alta, por mais de uma hora por dia, durante todas as semanas, por cinco anos consecutivos.

O médico alerta sobre os riscos do uso excessivo destes aparelhos. Quando questionado qual seria o volume seguro, ele esclarece que cada aparelho tem sua regulagem, e que deveria ser usado o volume mínimo, é enfático ao destacar que o ideal é não usar. Qualquer ruído que escutamos a membrana do tímpano faz uma vibração, esta aciona os ossos que chegam aos nervos que mandam uma mensagem ao cérebro. Quando isso ocorre de maneira muito acentuada este mecanismo de transmissão da onda acústica piora (o som é transmitido através de ondas) provocando uma dilatação maior na membrana, o que pode causar uma luxação nos ossos do ouvido o que provocará uma alteração na audição causando, conseqüentemente, a perda auditiva.

O doutor Jocelyn aconselha que todos deveriam fazer acompanhamento com exames de audiometria semestralmente, para se ter um controle e finaliza com um alerta: Cuide da sua audição, seja prudente, porque surdez não tem cura.

*Estudantes de Jornalismo On-line da UniverCidade

Anúncios